quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018

A Corda




A ideia do suicídio é uma grande consolação:
ajuda a suportar muitas noites más.
- Friedrich Nietzsche



[Aviso de gatilho] [Suicídio]
  

Não há um ser humano mais motivado que um suicida. É triste dizer, mas é verdade.

A corda aperta no pescoço e o corpo cai emitindo um som: cleck!

Assim começa a história de Sofia, que não tem o nome de suicida. Talvez nunca tenha existido na história dos suicidas uma Sofia. Um nome que inspira coisas totalmente contrárias a alguém que causa a própria morte. Mas a história de Sofia não é como a literatura trata as sofias.

A coisa toda começou de maneira meio curiosa. Sofia decidiu que este seria seu último dia de vida e pronto! Para ela, nada mais fazia sentido, como de costume. Nenhuma alegria estava no porvir, depois de tanto tempo amiga do sofrimento e do desengano. E, neste dia, eles lhe pegaram pela mão e percorreram os três pela velha casa que haviam ganho de herança a busca de um ponto final.

Ela pegou um frasco do antidepressivo que tomava há dois anos, abriu e jogou os comprimidos no lençol da cama. Pesquisou na internet e descobriu que uma overdose precisaria de mais de 10mg, e ela só tinha 6 comprimidos de 1mg. Concluiu que, tomando as pílulas, no máximo acordaria a três dias na poça de sua na própria merda. Mas Sofia estava motivada.

Ela então foi à procura de uma corda de sisal que lhe surgiu na lembrança. Estava no armário da cozinha, abandonada, e serviria de varal um dia. Nunca serviu. Serviria agora, ainda que, na lembrança suicida de Sofia, uma corda no pescoço nunca tenha surgido como opção.

Mas a motivação impulsiona a criatividade.

Sofia então pensou, ponderou, calculou, porque suicidas também calculam muito bem, mesmo que não sejam bons em matemática. “Com 3mg eu entro em estado de sono em pouco menos que meia hora. Tenho 6mg com os seis comprimidos, tomo e faço a forca”.

Ah, a internet é um campo fértil para os suicidas. E Sofia trazia novidades, embora não as pudesse compartilhar pela pressa da criatividade que a impulsionou. Pegou o tutorial de como fazer os nós da forca – o do mastro e o que pende o pescoço – e escolheu o melhor lugar, sabendo que seria o último. Apesar do improviso, tudo que ela escolheu pra estar consigo no seu último momento tinha um sentido, uma história. Por isso escolheu o vestido que usara quando descobriu que seria mãe, e decidiu com esmero o pedaço da tesoura de madeira que sustentava o telhado da velha casa dos seus pais, num pé direito mais alto que o resto e que aparecia pelo forro roído pelas chuvas fortes no telhado cheio de goteiras.

Era um pé direito alto, mas não tanto para pender o corpo esguio de Sofia junto com bastante pedaço de corda. Só que Sofia estava motivada. No velho depósito de ferramentas do seu pai, achou uma serra enferrujada, mas que ainda prestava a cortar uma ripa de madeira. A criatividade fluía. Pensou: “Deixo o mochinho em três pés. Amarro a corda na tesoura, ajeito a forca no pescoço. Tomo o remédio para dormir. Quando o remédio fizer efeito, eu durmo, o mochinho escapa dos pés e eu morro enforcada dormindo, de forma indolor”.

Ah, quão motivador é uma mente criando uma ideia tão inovadora para um momento de necessidade, quão desesperadora é a necessidade que criou tal motivação!

Assim ela o fez. Amarrou a corda da forca na tesoura com o mocho ainda em quatro patas, desceu, cortou um dos pés, engoliu de supetão os seis comprimidos, subiu se equilibrando nos três pés do mochinho e ajeitou a corda no pescoço, sentindo lhe irritar a palha seca do sisal. Ela repousou seu corpo ereto e esperou.

A irritação pareceu lhe trazer tudo de ruim que contribuiu para este momento derradeiro: “Argh!”
Ela tentava ajeitar a corda como um executivo ajeita sua gravata num dia quente. Mexia, afrouxava um pouco, mas nada fazia a sensação ser melhor. Era a corda? A culpa? A raiva do ex-marido! A raiva do irmão! A saudade do filho...

Dizem que, nos últimos segundos de vida, a todos nós é imposto uma retrospectiva da vida. Talvez como um preparo para encarar a realidade, um mimo do cosmo para dirimir a dor que desvincula a alma do corpo. E embora se diga que não aconteça em experiências de quase morte, Sofia experimenta com quase toda sua plenitude o filme de sua vida passando por seus olhos, embora fora da ordem cronológica.

Primeiro vem seu filho à memória. A imagem do parto; ele inda bebê trocando pela primeira vez os olhares com ela, o rosto cheio de sangue; a primeira chupada no que então eram apenas seus peitos - brinquedos de homens tão supérfluos -, esperando com olhos brilhantes sorver o amor de mãe após o colostro. E ele cresce no contínuo do filme: tomou jeito de menino, com suas roupas de menino, brinquedos de menino, até vir um tapa na face da memória, um capricho que a derradeira lembrança fez questão de reproduzir de maneira física. Ela vira o rosto, fazendo a corda de sisal lhe doer mais que o normal, e era o tapa do seu ex-marido, pai do seu filho. Um dos tantos que levou e se conformou, recolhendo-se em sua insignificância. E vem na memória vívida o grito desse homem dizendo que ela nunca mais será a mãe do seu menino, que é incapaz. Lembra que há mais um ano não vê seu filho, que ele deve ter se esquecido da mãe, absorvido pela narrativa do pai. Mas reconforta-se ao pensar que o menino era delicado e sensível, que chorava toda vez que a mãe apanhava. E tenta lembrar do seu sorriso quando a retrospectiva lhe trouxe outro tapa na cara, menos físico, contudo mordaz: seu único irmão, mais novo, que nessa mesma velha casa onde ela decidira a própria morte, ficara órfão junto a ela. E lembrou que era sua culpa a morte dos pais, pois tinha fugido à noite pelo portão e o deixara aberto, deixando os bandidos entrarem e assassinarem seus pais.

Sim! Foi essa a culpa que ela sempre trouxe na vida! Ela nunca conseguiu se recuperar disso. Era algo que voltava de sempre em sempre na memória viva, minando sua vontade, corroendo sua autoestima. Ocorria uma erosão no seu espírito cada vez que lembrava que havia dado a oportunidade para os bandidos matarem sua família. E para quê? Uma festa fútil que nem lembrava mais, a adrenalina da fuga à autoridade de uma adolescente inconsequente.

Mas a retrospectiva não funciona bem como se diz, não! Pra se falar a verdade, ela acontece como uma epifania. Ela revela coisas tão escondidas que não podem ser contempladas pela mente consciente ou pela lembrança que se tem em vida. Talvez para preparar o espírito para o que há por vir. E aí que Sofia descobriu que nunca havia contribuído para o assassinato dos seus pais. Ela pulou o muro!

Ah, que detalhe lhe escapara! Isso mudaria todo curso de sua história! A culpa imposta pelo irmão absorvida sem pensar... A vida mal vivida pela culpa... A culpa auto alimentada que a tornou cativa da violência... De fato, ela nunca saiu pelo portão, ela pulou o muro alto no canto da roseira justamente por achar que o portão estava cadeado! Sentiu na pele até a lembrança do corte nos espinhos da roseira. Justo agora lembra disso? Por quê?

O cálculo estava certo, segundo sua margem. Ela já não conseguia mais ajeitar a corda com suas mãos, anestesiadas pelo antidepressivo. Fez força, mas só conseguia concentrar as pernas para não fraquejar. Mal conseguia se equilibrar.

Sua vida fora uma sucessão de culpas sem motivos, concluiu, mas cada segundo que passa a corda pesa mais no pescoço. O sono vai tomando conta do corpo. O peso de ter escolhido como parceiro um homem abusivo e violento em razão de sua baixa autoestima tenta reacender a consciência, mas tudo que ela consegue é sentir a culpa de deixar o filho nas mãos desse homem. A motivação vai dando lugar ao arrependimento.

Algo que ela aprendeu com o tempo é que todos deveriam escolher a própria morte, porém a escolha deveria ser exaurida de arrependimentos. E agora? Sofia não consegue mais abortar a ideia genial que teve. O esgotamento do corpo chegou ao ápice, ela mal consegue mexer os braços, mesmo percebendo que nada disso mais faz sentido. Ela dá um último suspiro de consciência, o corpo amolece, pende, o banco tripé cai, a corda enrijece e... clec!

Com a corda em seu pescoço e os pedaços da velha tesoura corroídos e tombados pelo corpo, Sofia acorda caída no chão, depois de três dias dormindo na poça da sua própria merda.

quarta-feira, 2 de setembro de 2015

Sinal da Cruz

Sabendo que a polícia está aquartelada, José espera sozinho na parada escura, sob o frio intenso da noite, com um temor tenso de exício na espinha. José sente um calafrio, se benze e faz o sinal pro seu ônibus que tá chegando parar. Entra e percebe a preocupação compartilhada pelos passageiros no momento em que embarca. Todos o acompanham sentar no único lugar vago, ao lado do cobrador. Qualquer um é um suspeito.

A longa jornada segue como todos os dias. É comum o burburinho das pessoas nesse horário, o descarrego exausto na alegria do fim de um dia de trabalho. Porém, hoje José repara que paira um silêncio absoluto, quebrado apenas algumas vezes pelo som da frenagem ou o sinal solicitando o desembarque. O medo se acumula nos músculos cansados dos corpos. Os comentários, relatos e as notícias sobre assaltos a ônibus, alguns com tiros e gente morta, se espalharam nas últimas semanas por todo lado.

Cada sinal que alguém aperta indicando que vai descer é um pulo de susto nos mais atentos. José olha para o lado direito, vê passar fora da janela uma igreja e faz o sinal da cruz ao mesmo tempo em que vê pelo reflexo a arma em punho do passageiro de trás que levanta anunciando o assalto e causa em José uma reação espontânea: ao levantar a mão ainda em prece ele bate na arma do assaltante, disparando acidentalmente um tiro no seu próprio peito. Caído ao chão, no átimo de vida que se extingue em um amém, José olha para o teto do ônibus e pergunta: por quê?

terça-feira, 7 de julho de 2015

O Sorriso de Dona Margot

Nunca a viram tão feliz.

Quem a conhece não pode reconhecer.

Quem não a conhece se admira com tanta felicidade.

Passeia alegre pelo centro da cidade com uma criança nos braços.

Quem vê Dona Margot assim tão tranquila não pode imaginar que ela acabou de roubar um bebê.

quarta-feira, 1 de julho de 2015

Músicas para (re)pensar a redução da maioridade penal

Ser a favor da redução da maioridade penal é fácil. Difícil é ver que não é uma solução viável: não reduz criminalidade entre menores infratores, não previne crimes pelo “medo da punição”, nem tem qualquer resultado prático. É só uma forma de constituir capital político dos mesmos conservadores de sempre, já que a “maioria da população” é a favor da medida. 

O assunto já tá bem batido nos últimos tempos. No Google se encontra muita coisa sobre o assunto, tanto pra se posicionar a favor (muitos poucos argumentos válidos) quanto pra formar posição contra a política de segurança pública da redução da maioridade penal.

Abaixo, então, listo algumas músicas que conheço e que falam sobre o tema da desigualdade social e de como a solução está na raiz do problema, e não nos seus sintomas, e que nos fazem (re)pensar a questão de menores infratores.


Pivete - Chico Buarque
“No sinal fechado ele transa chiclete. E se chama pivete. E pinta na janela. Capricha na flanela. Descola uma bereta. Batalha na sarjeta E tem as pernas tortas”.




Brejo da Cruz - Chico Buarque
“A novidade que tem no Brejo da Cruz é a criançada se alimentar de luz. Alucinados. Meninos ficando azuis. E desencarnando, lá no Brejo da Cruz, Eletrizados cruzam os céus do Brasil. Na rodoviária assumem formas mil. Uns vendem fumo. Tem uns que viram Jesus”




O Meu Guri - Chico Buarque
“Chega suado e veloz do batente. Traz sempre um presente pra me encabular. Tanta corrente de ouro, seu moço, que haja pescoço pra enfiar. Me trouxe uma bolsa já com tudo dentro: chave, caderneta, terço e patuá, um lenço e uma penca de documentos. Pra finalmente eu me identificar: Olha aí! Olha aí! Ai, o meu guri, olha aí! Olha aí! É o meu guri e ele chega!”




Problema Social – Seu Jorge
“Mataria a minha fome sem ter que roubar ninguém
Juro que eu não conhecia a famosa Funabem
Onde foi a minha morada desde os tempos de neném
É ruim acordar de madrugada pra vender bala no trem”.




Abismo Das Almas Perdidas - Facção Central
 “A mosca que se alimenta de mortos voa de jato,
sua proteína tá no sangue do menino soldado”.



  
Maioridade penal - Nelson Maca
“Não viu o branco do arroz, não sabe o que é feijão
Na rua a cama é jornal, de papelão o cobertor
O brinquedo não chegou, com o lápis se desapontou
Primeiro água no chafariz, o fogo na pedra vem depois
Pai e mãe nunca viu, mamou nas tetas do terror
Cresceu nos braços da solidão, abraçado ao desamor”.




Rap Contra Redução da Maioridade Penal - Thiago Peixoto - Capella
“Nós criamos esse inimigo negando-lhes passado, presente e futuro digno. Demos o mínimo do mínimo quando muito, pão e abrigo, e ao invés de reparação, pensamos em mais um castigo?”




Racionais Mc's - A Vida é Desafio
"Tem que acreditar. Desde cedo a mãe da gente fala assim: 'Filho, por você ser preto, você tem que ser duas vezes melhor.'
Aí passado alguns anos eu pensei: Como fazer duas vezes melhor, se você tá pelo menos cem vezes atrasado pela escravidão, pela história, pelo preconceito, pelos traumas, pelas psicoses... por tudo que aconteceu? Duas vezes melhor como?”


segunda-feira, 18 de maio de 2015

Usuário Craque - Sobre Dependência Química e Conflitos Éticos

Li um comentário antigo nesse blog que me fez lembrar duma vez eu criei um outro blog que tratava da questão dos dependentes químicos.

Era como se fosse um diário de um adicto em crack que vivia na rua. O projeto era migrar pra um livro, talvez. Eu era bem mais pretensioso que hoje. No rodapé da página havia um aviso claro de que era ficção, e que a história era uma forma de dar visibilidade a um problema tão presente e tão negligenciado, humanizar os dependentes químicos e mostrar como é em parte a vida nas ruas. Criei um passado de misérias e tragédias pro personagem, mostrando um pouco sobre como pessoas podem buscar fuga pela droga. Criei até o que hoje poderia ser uma hashtag: finalizava as postagens sempre com "TAMUJUNTO". A linguagem do personagem tinha que ser o mais próximo possível de alguém que vivia em condição de rua, na periferia, com gírias e erros ortográficos. Pesquisei sobre os assuntos relacionados, sobre como é essa vida, e até criei um post no blog oficial sobre como exigir do Estado o tratamento pra dependência (Aqui: Conheca seus direitos II)

O blog estourou sem eu fazer muita força. Divulguei pouco, mas logo já tinha quase mil visualizações por dia. Isso em 2009!

Foi aí que eu comecei a receber diariamente e-mails de gente que estava envolvida com minha história, contando seus relatos pessoais, desejando melhoras pro meu personagem. Eu fazia questão de deixar claro pras pessoas que me mandavam seus relatos que trava-se de uma crônica, não de algo propriamente real. Nenhuma me recriminou pelo que eu estava fazendo, algumas até me agradeceram. 

No fim, eram tantos os relatos, tantos e-mails com exemplos e pessoas desejando que meu personagem tivesse força contra o vício que eu entrei num conflito ético. Ao invés de matar meu personagem, consegui pra ele uma internação e ele iria ficar sem contato com o mundo externo por nove meses. Nesse tempo, esperei que os meus leitores tivessem sucesso na luta contra o vício do seus familiares e amigos. No fim, acho que ajudei algumas pessoas, que perceberam o adicto como um ser humano, com problemas e vontades, e sempre citava os nomes dos dependentes sobre os quais eu era informado.

Os comentários do último post me deixaram bem emocionado. Foi o post em que um outro eu, dono da lan house onde o "usuáriocrack" postava no seu blog, depois de nove meses, relatava que a internação teve sucesso e que o blogueiro tinha enfim arranjado um emprego e estava terminando o segundo grau.

Foi em parte bom, apesar de "lucrar" com um problema real (nunca ganhei nada, só uma pequena notoriedade do blog), me ajudou bastante a entender o mundo das pessoas que lutam contra o preconceito em torno dos adictos e contra o vício, seu ou de pessoas próximas.

Aí percebi que #tamojunto, independente de estarmos ou não dentro de uma situação de luta como essa.

segunda-feira, 14 de julho de 2014

Remédio de maconha II – A Obrigação do Estado

Any, uma pequena brasiliense de 5 anos, tinha cerca de 60 convulsões por semana. O Canabidiol (CDB) - medicamento a base de um composto da cannabis sativa -, praticamente zerou essas crises. Melhor ainda, o medicamento facilitou a ela o desenvolvimento de suas funções.

O CDB não causa alteração no comportamento do paciente, como se ele estivesse usando recreativamente a erva. Assim como ninguém utiliza fezes e urina de animais e insetos na pele como perfume, gordura de animais mortos como sabonete, veneno de animais peçonhentos como remédios ou chupa cana-de-açúcar esperando ficar bêbados, as pessoas que usam o Canabidiol o fazem pela necessidade e pela efetividade de um composto dos 60 princípios ativos da planta cannabis sativa, não pra ficarem doidões.

Eu protegendo a bilionária indústria farmacêutica? Sou pragmático, se essa é uma saída válida pra doenças graves como a epilepsia, e como vi duas entrevistas com mães de crianças que sofrem de epilepsia, eu sou a favor. Posso até pensar que em breve farmácias de manipulação podem estar criando medicamentos alternativos e mais baratos parecidos com o Canabidiol.

Não sou usuário de maconha, tudo que vem em excesso é prejudicial, só que é uma imensa hipocrisia não regulamentar urgentemente ao menos o uso medicinal de uma erva, sendo que em países bem conservadores como os EUA o princípio ativo do CDB é vendido como suplemento alimentar!

É obrigação do Estado não só permitir, por meio da ANVISA, o uso e comercialização da droga, mas fornecer aos pais como medicamento gratuito pelas farmácias populares. É o mínimo que se espera de um país sério.

Remédio de Maconha I – A Prejudicial Hipocrisia Religiosa



Os religiosos querem que o Estado não intervenha na sua responsabilidade de “criar/educar” os filhos por meio de castigos físicos. São contra a “Lei da Palmada”. O lobby evangélico no Congresso Nacional foi forte contra essa lei, inclusive ofenderam a Xuxa, que defende a lei.

Essa mesma bancada religiosa é contra a liberação do remédio Canabidiol (CBD) - derivado de cannabis sativa sem princípio psicoativo -, que é utilizado por pessoas, na maioria crianças, que sofrem com epilepsia. Assim, os religiosos ativistas são contra e a favor da liberdade dos pais de criar, educar e influir na vida do filho. Querem eles que o Estado intervenha, por meio da ANVISA, proibindo os pais de darem o medicamento mais saudável que há pra esse tipo de doença só porque na fórmula contém maconha, aliás, o princípio ativo da erva.

Os efeitos colaterais desse medicamento são mínimos. Pra se ter uma ideia, há remédios para epilepsia que causam redução da visão periférica do paciente, e produzem pouco efeito. O único efeito adverso do Canabidiol é a sonolência.

A saúde das pessoas não deveria passar pelo discurso moralista religioso, sobretudo quanto à saúde de crianças. Não há fundamento para proibir o remédio baseado na moralidade cristã de não condenar certas substâncias e permitir outras.

Não que espero coerência dos religiosos, mas, por favor, sejam menos hipócritas.

quinta-feira, 16 de maio de 2013

Rockonha

O outro lado de uma mesma história. O homem que foi traído pela mãe de seus filhos, morto por engano e avilanado por esta que é uma das mais belas canções da música popular brasileira.











Rockonha


Por Rafael Rivas

A visão vai clareando, e Jeremias já pode ver o sorveteiro, os repórteres e os agentes de TV que o filmavam. A adrenalina foi lentamente se neutralizando pela respiração fria do traficante. Jeremias sente cheiro de pólvora e escuta uma risada. Olha para suas mãos, entretanto, sua arma não foi disparada. E à sua frente pode ver o destemido homem a quem chamam de Santo Cristo deitado de bruços no asfalto. E se lembrou de quando era uma criança, e de tudo que vivera até estar ali, em frente ao lote 14, na Ceilândia.


De menino bem criado por família de classe-média à adolescente rebelde e arredio. A vida de Jeremias, um brasiliense caucasiano filho de diplomatas, passou a acontecer quando ele fugiu de casa, indo morar com colegas de faculdade em uma república da UNB. Cursava biologia, mas odiava o curso.

Por ser bem relacionado, andava com os boyzinhos da cidade, praticando pequenos delitos. Só que Jeremias era esperto, sabia que para bancar aluguel, festas e o uso de drogas deveria começar traficar para os amigos. E as festas foram aumentando, o tráfico se profissionalizando, e a “Rockonha”, apesar da repressão militar e da polícia, fazendo sucesso.

Até que um dia apareceu um contrabandista baiano, chamado João de Santo Cristo, que prometia acabar com o tráfico na cidade, junto com Pablo, um peruano que morava na Bolívia. Ele costumava frequentar a Asa Norte, e ainda não se bandeava para a Asa Sul, onde Jeremias dominava. Agora Jeremias já não era o único traficante de renome de Brasília.

Nas festas de rock, João passou a aliciar consumidores, inclusive amigos de Jeremias, e logo já fazia parte de um pequeno bando que roubava. Amador que era, o tal de Santo Cristo caiu no primeiro roubo, e prometeu pegar todos os amigos de Jeremias, que, por serem filhinhos de papai, não foram presos. Santo Cristo, preto e pobre, ficou anos preso. E lá fez sua graduação no crime.

Recluso juntamente com presos políticos, Santo Cristo virou bandido destemido e temido no Distrito Federal. Diziam que não tinha nenhum medo de polícia, capitão, traficante, playboy ou general.


“Você perdeu sua vida, meu irmão! Você perdeu sua vida, meu irmão!”. Jeremias não entendia as ameaças e as conseqüências da proposta indecorosa que recusara. Não iria matar João a pedido de um general, só porque o baiano namorava sua filha. Jeremias estava em Planaltina quando Pablo lhe disse que João de Santo Cristo soubera da proposta do general, e queria conversar de perto. Chegou a hora do enfrentamento inevitável.

Jeremias organizou uma Rockonha e fez todo mundo dançar, a espera do encontro com João. “Jeremias, maconheiro sem-vergonha, tua acha que é crente mas não sabe nem rezar”. João, o ladrão de velhinhas carolas, era mais preto que ele pensava. Como poderia comer todas as menininhas de sua cidade? Santo Cristo lhe chamou pra briga, só que Jeremias viu a Winchester-22 e fugiu, desarmado. Logo depois saiu no noticiário que Santo Cristo fora preso novamente.


O tempo passa e um dia Jeremias conhece uma tão menina linda numa Rockonha, e de todos seus pecados ele se arrependeu. Ela era filha de um general perigoso, que acabara com a vida do último namorado dela. Contudo, Jeremias sempre gostou de perigo, e prometeu eternamente seu coração a Maria Lúcia, casou-se com ela e um filho nela ele fez.


A criança já estava grande quando bate em sua porta Pablo, o primo peruano de João, dizendo que o faroeste caboclo fugira da cadeia, era só ódio por dentro e lhe chamava a um duelo. “Você pode escolher suas armas que ele acaba com você, seu porco traidor. E mata também Maria Lúcia, aquela menina falsa para quem João jurou eterno amor. Amanhã, às duas horas, na Ceilândia, em frente ao lote 14, é lá que ele vai estar!”.

E Jeremias não sabia o que fazer quando viu o repórter da televisão, dando notícia do duelo na TV, dizendo a hora o local e a razão. Ao ver o boletim, Maria Lúcia correu para casa para explicar a Jeremias o que havia acontecido: seu pai, o general perigoso, havia prometido acabar com seu namorado, João de Santo Cristo, porque era caboclo, pobre e contrabandista. Revoltado, depois que foi preso por culpa do general, João rebelou-se contra ela e aos gritos mandou-a afastar-se dele, impondo-lhe a culpa da segunda prisão.

Ao sábado, dia do duelo, Jeremias pegou sua arma por precaução e foi até o lote 14 da Ceilândia para explicar que nada tinha contra João, que tudo não passava de um mal entendido. Apesar de traficante, Jeremias não passava de um boyzinho sem muita coragem. Chegando lá, ultrapassou a multidão, ouviu um tiro seco, uma risada e o povo aplaudindo, em seguida. O sol cegou seus olhos, mas visão vai clareando, e ele já podia ver o sorveteiro, os repórteres e os agentes de TV que filmavam tudo ali. A adrenalina foi lentamente neutralizada pela respiração fria do traficante. Jeremias sentiu cheiro de pólvora, olhou para suas mãos. Entretanto, não disparou com sua arma. João estava deitado de bruços, ensanguentado, e Maria Lúcia correu em sua direção, com a Winchester-22 nas mãos, ajudando-o a se levantar.

“Jeremias eu sô hômi, coisa que você não é, e não atiro pelas costas não. Olha pra cá filha da puta sem-vergonha, dá uma olhada no meu sangue e vem sentir o teu perdão”. E Santo, Cristo com a Winchester-22, deu cinco tiros em safado traidor, que correu revidando os tiros.

Na troca de balas, Jeremias, Santo Cristo e Maria Lúcia foram atingidos; os três morreram baleados no coração.

Por ter matado um traficante de renome, o povo declarou que João de Santo Cristo era santo porque sabia morrer. E a alta burguesia da cidade não acreditou na história que eles viram na TV. E Jeremias não conseguiu o que queria quando veio pro duelo com João ter. Ele queria era falar pra Santo Cristo que Pablo é quem queria lhe fazer... sofrer.

quarta-feira, 15 de maio de 2013

Médicos cubanos, espiões ninjas e a direita paranoica


Jaleco dos médicos-espiões-comunistas-ninjas
cubanos.
Perderam de vez a linha. Acabou-se a vergonha na cara. Eles escancararam a própria ignorância. É impossível que não se sintam ridículos.

A direita pirou. Experimentou maconha, depois que o FHC disse ser bom, e acabou exagerando na dose.

Um em cada cinco médicos cubanos que virão trabalhar no Brasil são espiões comunistas.

Sério? Alguém aí ainda está na Guerra Fria? Estaria a direita precisando de mais medicamentos?

Pois não é. É fato. Cuba, uma superpotência econômica e bélica programa a vinda de médicos-espiões-maçons-iluminatis-comunistas-ninjas cubanos, altamente treinados para dominar, com o PT, o país. A começar pela derrubada da democracia, com fortalecimento da PF, do MP, deixando o Congresso Nacional vetar suas medidas provisórias, o STF condenar seus correligionários, deixando o MPF arquivar denúncias contra opositores. É o apocalipse! Isso e a aprovação do casamento gay.

Agora, vamos ao que interessa. Este post é a última instância elucidativa sobre a questão da vinda dos médicos estrangeiros, e tem, inclusive, um contraponto abaixo, dando direito ao contraditório.

Tirem suas conclusões, dissertem, discutam, debatam, comentem. Tamos aí pra isso.

Tirado lá do http://www.advivo.com.br.



A questão da vinda dos médicos cubanos para o Brasil

Por Pedro Saraiva

Sou médico e gostaria de opinar sobre a gritaria em relação à vinda dos médicos cubanos ao Brasil.

Bom, como opinião inteligente se constrói com o contraditório, vou tentar levantar aqui algumas informações sobre a vinda de médicos cubanos para regiões pobres do Brasil que ainda não vi serem abordadas.

- O principal motivo de reclamação dos médicos, da imprensa e do CFM seria uma suposta validação automática dos diplomas destes médicos cubanos, coisa que em momento algum foi afirmado por qualquer membro do governo. Pelo contrário, o próprio ministro da saúde, Alexandre Padilha, já disse que concorda que a contratação de médicos estrangeiros deve seguir critérios de qualidade e responsabilidade profissional. Portanto, o governo não anunciou que trará médicos cubanos indiscriminadamente para o país. Isto é uma interpretação desonesta.

- Acho estranho o governo ter falado em atrair médicos cubanos, portugueses e espanhóis, e a gritaria ser somente em relação aos médicos cubanos. Será que somente os médicos cubanos precisam revalidar diploma? Sou médico e vivo em Portugal, posso garantir que nos últimos anos conheci médicos portugueses e espanhóis que tinham nível técnico de sofrível para terrível. E olha que segundo a OMS, Espanha e Portugal têm, respectivamente, o 6º e o 11º melhores sistemas de saúde do mundo (não tarda a Troika dar um jeito nesse excesso de qualidade). Profissional ruim há em todos os lugares e profissões. Do jeito que o discurso está focado nos médicos de Cuba, parece que o problema real não é bem a revalidação do diploma, mas sim puro preconceito.

- Portugal já importa médicos cubanos desde 2009. Aqui também há dificuldade de convencer os médicos a ir trabalhar em regiões mais longínquos, afastadas dos grandes centros. Os cubanos vieram estimulados pelo governo, fizeram prova e foram aprovados em grande maioria (mais à frente vou dar maiores detalhes deste fato). A população aprovou a vinda dos cubanos, e em 2012, sob pressão popular, o governo português renovou a parceria, com amplo apoio dos pacientes. Portanto, um dos países com melhores resultados na área de saúde do mundo importa médicos cubanos e a população aprova o seu trabalho.

- Acho que é ponto pacífico para todos que médicos estrangeiro tenham que ser submetidos a provas aí no Brasil. Não faz sentido importar profissionais de baixa qualidade. Como já disse, o próprio ministro da saúde diz concordar com isso. Eu mesmo fui submetido a 5 provas aqui em Portugal para poder validar meu título de especialista. As minhas provas foram voltadas a testar meus conhecimentos na área em que iria atuar, que no caso é Nefrologia. Os cubanos que vieram trabalhar em Medicina de família também foram submetidos a provas, para que o governo tivesse o mínimo de controle sobre a sua qualidade. 

Pois bem, na última leva, 60 médicos cubanos prestaram exame e 44 foram aprovados (73,3%). Fui procurar dados sobre o Revalida, exame brasileiro para médicos estrangeiros e descobri que no ano de 2012, de 182 médicos cubanos inscritos, apenas 20 foram aprovados (10,9%). Há algo de estranho em tamanha dissociação. Será que estamos avaliando corretamente os médicos estrangeiros? 

Seria bem interessante que nossos médicos se submetessem a este exame ao final do curso de medicina. Não seria justo que os médicos brasileiros também só fossem autorizados a exercer medicina se passassem no Valida? Se a preocupação é com a qualidade do profissional que vai ser lançado no mercado de trabalho, o que importa se ele foi formado no Brasil, em Cuba ou China? O CFM se diz tão preocupado com a qualidade do médico cubano, mas não faz nada contra o grande negócio que se tornaram as faculdades caça-níqueis de Medicina. No Brasil existe um exército de médicos de qualidade pavorosa. Gente que não sabe a diferença entre esôfago e traqueia, como eu já pude bem atestar. Porque tanto temor em relação à qualidade dos estrangeiros e tanta complacência com os brasileiros? 

- Até agora não vi nem o CFM nem a imprensa irem lá nas áreas mais carentes do Brasil perguntar o que a população sem acesso à saúde acha de virem 6000 médicos cubanos para atendê-los. Será que é melhor ficar sem médico do que ter médicos cubanos? É o óbvio ululante que o ideal seria criar condições para que médicos brasileiros se sentissem estimulados a ir trabalhar no interior. Mas em um país das dimensões do Brasil e com a responsabilidade de tocar a medicina básica pulverizada nas mãos de centenas de prefeitos, isso não vai ocorrer de uma hora para outra. Na verdade, o governo até lançou nos últimos anos o Programa de Valorização do Profissional da Atenção Básica (Provab), que oferece salários mensais de R$ 8 mil e pontos na progressão de carreira para os médicos que vão para as periferias. O problema é que até hoje só 4 mil médicos aceitaram participar do programa. Não é só salário, faltam condições de trabalho. O que fazemos então? vamos pedir para os mais pobres aguentar mais alguns anos até alguém conseguir transformar o SUS naquilo que todos desejam? Vira lá para a criança com diarreia ou para a mãe grávida sem pré-natal e diz para ela segurar as pontas sem médico, porque os médicos do sul e sudeste do Brasil, que não querem ir para o interior, acham que essa história de trazer médico cubano vai desvalorizar a medicina do Brasil. 

- É bom lembrar que Cuba exporta médicos para mais de 70 países. Os cubanos estão acostumados e aceitam trabalhar em condições muito inferiores. Aliás, é nisso que eles são bons. Eles fazem medicina preventiva em massa, que é muito mais barata, e com grandes resultados. Durante o terremoto do Haiti, quem evitou uma catástrofe ainda maior foram os médicos cubanos. Em poucas semanas os médicos dos países ricos deram no pé e deixaram centenas de milhares de pessoas sem auxílio médico. Se não fosse Cuba e seus médicos, haveria uma tragédia humanitária de proporções dantescas. Até o New England Journal of Medicine, a revista mais respeitada de medicina do mundo, fez há poucos meses um artigo sobre a medicina em Cuba. O destaque vai exatamente para a capacidade do país em fazer medicina de qualidade com recursos baixíssimos (http://www.nejm.org/doi/full/10.1056/NEJMp1215226).

- Com muito menos recursos, a medicina de Cuba dá um banho em resultados na medicina brasileira. É no mínimo uma grande arrogância achar que os médicos cubanos não estão preparados para praticar medicina básica aqui no Brasil. O CFM diz que a medicina de Cuba é de má qualidade, mas não explica por que a saúde dos cubanos, como muito menos recursos tecnológicos e com uma suposta inferioridade qualitativa, tem índices de saúde infinitamente melhores que a do Brasil e semelhantes à avançada medicina americana (dados da OMS).

- Agora, ninguém tem que ir cobrar do médico cubano que ele saiba fazer cirurgia de válvula cardíaca ou que seja mestre em dar laudos de ressonância magnética. Eles não vêm para cá para trabalhar em medicina nuclear ou para fazer hemodiálises nos pacientes. Medicina altamente tecnológica e ultra especializada não diminui mortalidade infantil, não diminui mortalidade materna, não previne verminose, não conscientiza a população em relação a cuidados de saúde, não trata diarreia de criança, não aumenta cobertura vacinal, nem atua na área de prevenção. É isso que parece não entrar na cabeça de médicos que são formados para serem superespecialistas, de forma a suprir a necessidade uma medicina privada e altamente tecnológica. Atenção! O governo que trazer médicos para tratar diarreia e desidratação! Não é preciso grande estrutura para fazer o mínimo. Essa população mais pobre não tem o mínimo!

Que venham os médicos cubanos, que eles façam o Revalida, mas que eles sejam avaliados em relação àquilo que se espera deles. Se os médicos ricos do sul maravilha não querem ir para o interior, que continuem lutando por melhores condições de trabalho, que cobrem dos governos em todas as esferas, não só da Federal, melhores condições de carreia, mas que ao menos se sensibilizem com aqueles que não podem esperar anos pela mudança do sistema, e aceitem de bom grado os colegas estrangeiros que se dispõe a vir aqui salvar vidas.

Infelizmente até a classe médica aderiu ao ativismo de Facebook. O cara lê a Veja ou O Globo, se revolta com o governo, vai no Facebook, repete meia dúzia de clichês ou frases feitas e sente que já exerceu sua cidadania. Enquanto isso, a população carente, que nem sabe o que é Facebook morre à míngua, sem atendimento médico brasileiro ou cubano.


----------------------------------------------------


Por Gisele Katia Camara Oliveira

Os Médicos Brasileiros e Saúde no Brasil 

Boa Noite Nassif, Abro minhas ponderações com uma postagem de minha sobrinha Lívia de Oliveira Antunes, jovem médica, no facebook:"Eu gostaria sinceramente de achar algum ponto positivo na vinda dos médicos cubanos para o Brasil... qualquer ponto que seja... deixando os meus interesses pessoais de lado e pensando unicamente na população que necessita do atendimento, assim eu sofreria menos...

Agora se tratando do fato de eu ser uma profissional da área de saúde e na maior parte do tempo após a minha conclusão ter atuado no sistema público, sei com toda convicção que o problema principal não está na falta de profissionais, mas sim na falta de estrutura para exercermos a medicina...


A verba destinada à saúde se fosse utilizada na saúde resolveria grande parte das angústias de nossa população... triste é que está verba acaba se perdendo nos “paraísos fiscais” nas contas de políticos corruptos, FDPs, desgraçados e sem alma que não se importam em matar muitas pessoas desde que seu patrimônio pessoal esteja em ascensão....


6 mil médicos não resolvem... nem 12 mil... nem 50 mil.... o médico sozinho não consegue salvar vidas... 


Sempre fui completamente a favor da forma de administrar o país pensando nos menos favorecido... sou a favor de todas as “bolsas” e das “cotas” da vida... e, sou uma pessoa que ainda acredito na política...

Agora querer trazer profissionais sendo que o que falta é instrumento para trabalho, pra mim é a mesma coisa de contratar um monte de padeiro, só que problema é a falta de farinha!!!


E se tem a falta de farinha... é pq o entregador FDP descarregou no seu terreno particular!"

A classe médica brasileira está paralisada com a vinda de 6000 médicos cubanos, com diplomas não revalidados no Brasil, sem que tenhamos sido chamados para o debate com o Governo. Sabemos que a postura: não venham os cubanos pois isso é ruim para a classe médica brasileira, não funciona, pois tem algo maior que é o atendimento em saúde da população brasileira. Temos consciência de que se quisermos ser ouvidos e respeitados como classe, precisamos encarar o desafio de  construir  propostas para realmente resolver a demanda de grande parte da população brasileira que não tem acesso a saúde.

Seria o momento de União de todas entidades médicas CFM, CRMs, Sindicatos, FENAM, ANMP para criar uma estratégia conjunta de ação:1) Análise dos reais motivos pelos quais não se consegue fixar médicos em determinadas regiões. (falta de plano de carreira, falta de estrutura de trabalho, falta de acesso a qualificação...)


2) Argumentação mostrando que não basta apenas ter médico para se ter saúde, essa visão simplista na verdade é uma maquiagem para iludir a população e possibilitar os grandes desvios de verbas da saúde.

3) Estudo do percentual de verbas da saúde que é desviado e não chega a população.


4) Criação de uma proposta conjunta considerando  os ítens anteriores para se resolver a ausência de médicos em determinadas regiões, mas que esses venham para trazer saúde não para maquiar a realidade e iludir a população.

5) Colocar toda classe médica para dialogar com o governo no sentido de realmente resolver o problema,  criando um plano de carreira para os médicos do SUS,  utilizando médicos das forças armadas,  o trabalho de recém formados do PROUNI-FIES, fornecendo qualificação continuada aos profissionais de saúde, criando uma estrutura de trabalho adequada...  Que os médicos venham para realmente trazer saúde.
O objetivo primordial de um Governo é proteger seus cidadãos.


Gisele Katia Camara Oliveira
Médica do SUS em Amparo-SP